A saúde intestinal
microbioma intestinal

“Toda doença começa no intestino.”

Hipócrates, pai da medicina.

O intestino, já apelidado de “O segundo cérebro” tem um papel que vai muito além da digestão alimentar. Esse órgão que tem uma área média de 200 metros quadrados e tem comunicação direta com o cérebro através do nervo vago, também influencia a imunidade, o peso e até o seu humor.

O microbioma

Temos mais microorganismos do que células. São 100 trilhões de bactérias e fungos benéficos (mutualistas), neutros (comensais) e nocivos (patógenas) exercendo uma relação simbiótica com o corpo humano. Toda vez que uma partícula alimentar é ingerida, o sistema intestinal tem de discernir o que deve ser absorvido ou excretado. Assim, damos casa e comida aos microorganismos e eles nos ajudam a metabolizar os nutrientes, produzir vitaminas, hormônios e enzimas, contribuir com a peristalse, garantir a integridade da parede do intestino e com isso, a imunidade.

A composição da flora bacteriana intestinal é determinada pela infância (via de parto, aleitamento materno, hábitos e meio ambiente durante a primeira infância) e pelas escolhas alimentares.

Alimentos de verdade, naturais, ricos em fibras e nutrientes, favorecem um crescimento bacteriano anti-inflamatório, que influenciam positivamente a saúde, enquanto açúcares e carboidratos refinados são alimentos inflamatórios, que geram uma flora bacteriana condizente a esta condição e capazes de favorecer a resistência insulínica, doenças auto-imunes, degenerativas e obesidade.

O que é permeabilidade intestinal (Leaky gut)?

A parede do trato gastrointestinal é como uma rede seletiva com pequenos buraquinhos que permitem ou bloqueiam a entrada de partículas na corrente sanguínea. Quando a rede está danificada, os pequenos buraquinhos ficam maiores e partículas que não deveriam entrar na corrente sanguínea conseguem ultrapassar a proteção. As partículas grandes são as bactérias nocivas, alimentos não digeridos, toxinas e proteínas como o glúten. Esse é o inicio de um processo inflamatório crônico que causará reações imunológicas e o desencadeamento de doenças.

Sinais e sintomas da permeabilidade intestinal:

  •  Alergias e sensibilidades alimentares
  •  Flatulências e eructações
  •  Doenças da tireóide
  •  Dores articulares
  •  Enxaqueca
  •  Fadiga
  •  Acne, rosácea, urticárias, furúnculos
  •  Candidíase de repetição
  •  Ganho de peso
  •  Resistência à insulina

Qual é o principal responsável por causar a permeabilidade intestinal?

O trigo, isto é, o glúten!

A proteína presente no glúten, a gliadina, causa a ativação exacerbada da proteína zonulina, que faz com que as junções intestinais sejam abertas, destruindo a barreira que seleciona o que passa e o que não passa do lúmen intestinal para a corrente sanguínea.

Prejudica a integridade intestinal:

  • Bactérias nocivas e vírus
  • Toxinas ambientares (substancias químicas absorvidas, como agrotóxicos)
  • Carboidratos refinados
  • Trigo (glúten)
  • Estresse
  • Medicamentos (principalmente antibióticos e antifúngicos)
  • Deficiência nutricional

Disbiose intestinal:

O termo dis-biose, significa que não está em sim-biose, isto é, não está em harmonia. Em outras palavras, a flora bacteriana intestinal está em desequilíbrio, com um supercrescimento de bactérias, parasitas, fungos (principalmente cândida) e vírus patógenos ao organismo.

A cura, começando pelo intestino:

Visto que a saúde intestinal está relacionada a diversas doenças, o primeiro passo para qualquer cura deve se iniciar nesse órgão.

Remover alimentos desencadeadores:

  • Grãos e cereais, principalmente o trigo.
  • Leite e derivados.
  • Açúcar.
  • Adoçantes artificiais.
  • Alimentos altamente processados.

Adicionar alimentos que contribuem com a integridade intestinal:

  •  Alimentos naturais, como verduras e legumes: Alimentos de verdade que ajudam a selecionar e alimentar boas bactérias, assim como o hospedeiro.
  • Prebióticos (fécula de batata crua, biomassa de banana verde crua, inulina, frutooligosacarideos, xilitol, pectina, psylium): São fibras insolúveis que favorecem a atividade e o crescimento do microbioma.
  • Probióticos (Lactobacillus vivos, kefir): São responsáveis por repovoar o intestino com bons microorganismos.
  • Glutamina: Esse aminoácido é fundamental para reparar a integridade da parede intestinal.

Este post tem 5 comentários

  1. Giovanna

    Muito legal. Excelente informação.

  2. Excelente dicas sobre a candidíase, estava procurando maiores informações e foi aqui no seu blog que encontrei, muito obrigada pelas dicas, vou começar a colocar em prática para começar o meu tratamento.

  3. eduardo

    oi gente
    gostei muito desse site, parabéns pelo trabalho. 😉

  4. Regiane Paiva

    Ola,
    fui diagnostica com Disbiose Intestinal a 3 meses, fato que ocorreu após a tomada de antibioticos (Amoxilina+clavulanato de potássio)…passei por diversos médicos e atualmente estou sendo acompanhada por nutricionista….
    Infelizmente não estou percebendo uma melhora significativa!!! Estou emagrecendo muito, já estou abaixo do meu peso ideal., quase subnutrida!
    Já cortei leite e derivados, açúcar, glúten e alimentos processados, estou tomando kefir de agua e nada de melhora real…
    Todos os dias tenho fezes moles e fétidas…
    Estou muito desanimada e preocupada com minha situação…
    Alguma sugestão?

Deixe uma resposta